Escolas, uma sala de tortura?

0

Há quantos séculos as escolas e os professores deixaram de serem símbolos de repassarem o conhecimento? Sim, séculos!
Porque o que vemos são escolas onde o aluno entra em uma sala com o cérebro totalmente voltado para outros assuntos como responder as mensagens de sua Rede Social, o passeio que irá fazer no final de semana, o game que será lançado e etc etc etc.
E o professor está apenas ali, como figura ilustrativa para repassar o que manda o manual.
O que isso torna? Uma tortura para os dois lados.
Mas de quem é a culpa? Do professor que não recebe um salário digno e possui alunos sem interesse com pais que acham que é a obrigação do professor em dar educação ou do aluno que deveria respeitar o seu mestre em sala de aula como era feito durante anos e anos?
De nenhum deles e de todos eles.
epicness.jpg
Qualquer jogador de RPG de mesa ou online sabe que para se aprender, o conhecimento deve ser conquistado de alguma maneira. O aprendiz deve ir em busca de um mestre que queira compartilhar. Ou de escolas em cidades que tenham pessoas que desejam o mesmo. E lá, elas irão aprender os segredos da natureza (Geografia e Biologia), de como fazer e falar um encantamento (Língua Portuguesa e Química), a história de magos, guerreiros e nações antigas (História), sobre os Planetas, Constelações, Economia (Física e Matemática) e tantas outras coisas. E isso tudo de maneira que ele sabe que precisa, porque são conhecimentos necessários para a sua sobrevivência.
Era assim na antiguidade. E deixou de ser com o passar dos anos quando o mais importante se tornou a Instituição e nome do Professor. O aluno para ter conhecimento deveria pagar. E para chegar a ter um valor, já deveria saber alguma coisa.
É fácil ser uma Escola e um Professor que só ensinam os melhores, quando os melhores já possuem um certo conhecimento. Agora a pergunta que fica é: Se esta escola só forma os melhores, por que não pega dos piores e os transforma no que dizem que fazem?
Exatamente porque a classe mais baixa não nasceu para o conhecimento. E assim as Instituições foram se fortalecendo em salas de tortura.
E o que devemos fazer? Complicado. Muito complicado. Por que?
Porque para isso precisamos ter pessoas que tenham uma mente aberta para o novo. Que queiram realmente transmitir o conhecimento. E famílias que já tenham educado os seus filhos. Preste atenção, escrevi EDUCADO e não instruído.
A maioria dos alunos não sabem porque aprendem o que é um planalto ou planíce. E muito menos sobre certas matérias da física, biologia, matemática entre outras.
Essas matérias apenas estão lá porque “um alguém” um dia em séculos atrás disse que eram matérias obrigatórias. Concordo, mas discordo quando se obriga alguém a aprender sem saber o porquê.
O conhecimento não deveria ser compartilhado? Não deveria ser livre?
Então! Já está na hora do pensamento “torturante” secular ser modificado e retornar um pouco as origens de quando um aluno sabia porque aprendia determinado assunto. De quando ele ansiava em aprender mais para testar seus conhecimentos e questionar o antigo pelo novo.
Chegamos em uma era onde as pessoas são condicionadas apenas a apertar botões. Onde digitar uma frase e ter a resposta em um meio de busca é o padrão. Mas saber como e porque aquela resposta foi parar ali, parece não interessar.
Carl Sagan escreveu sobre o assunto do analfabetismo científico em seu livro “O Mundo Assombrado pelos Demônios”. Vale uma lida. Assim como em muitos artigos ou palestras de Neil deGrasse Tyson.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *